quarta-feira, 28 de setembro de 2016

#PrecisamosFalarSobreOAborto

#PrecisamosFalarSobreOAborto

Começo esse texto dizendo que não, quem é contra a LEGALIZAÇÃO do aborto não tem UM argumento forte. Veja bem, eu disse a LEGALIZAÇÃO, porque conheço gente que não abortaria, mas é a favor da legalização. Sim, isso existe! Agora, eu vou colocar em tópicos todos os argumentos de vocês, contra, que são sempre os mesmos e vou monologar sobre eles. Ponham os cintos e preparem-se!

1) O feto não é um amontoado de células! É um bebê.
2) Se for abortar, eu quero que a mãe morra junto.
3) Se não quisesse engravidar, que se prevenisse! e/ou Não abra as pernas!
4) Você está tirando o direito de uma vida inocente. Não quer o filho, mande pro orfanato.
5) Hoje é com bebês no útero. Quanto tempo até ser com recém-nascidos e crianças pequenas?
6) O Feto não faz parte do corpo da mulher, ele não é um prolongamento do corpo da mulher.
7) Dá pra qualquer um/pra todo mundo e depois quer tirar a criança. Puta assassina.
8) (sic) PILULA PRESERVATIVO DIU COITO INTERROMPIDO AI A PISTOLERA ABRE AS PERNA DROGADA NO WC DA DISCOTECA E QUER ABORTA
9) (sic) Sua vó criou 10 filhos mas vc se acha especial e quer dar no banheiro da balada indie e sem ter consequências
10) (sic) Não importa se tem 3 ou 4 semanas, TEM CORAÇÃO E ELE TÁ FUNCIONANDO É UMA VIDA SIM
11) Se legalizar, vão achar que é festa e abortar o tempo todo.
12) (sic) Quem quer descriminalização do aborto é mulher ruim que transa sem responsabilidade com qualquer um.
13) Vocês que querem abortar são tudo umas puta gorda.

LET'S START, banho de conhecimento! Mamãe sempre disse: há algo que ninguém nunca vai tirar de você, seu conhecimento. Porque até sua liberdade eles vão tentar tirar. Conhecimento é força, é arma!

Imagem: Informe da ONU sobre o aborto no mundo (2011)

QUE ENGRAÇADO. Os países "de primeiro mundo", os países desenvolvidos são, em sua ESMAGADORA MASSACRANTE MAIORIA, legalizados. Serão eles um bando de malucos capitalistas assassinos sem coração?


*VÁRIOS ESTUDOS COMPROVAM* que nos países em que o aborto foi legalizado, não apenas houve uma vertiginosa queda no número de mortes maternas, como a prática do aborto também sofreu uma redução. Isso se dá pois, na maioria das situações, a legalização do aborto vem acompanhada de políticas públicas de prevenção à gravidez indesejada, assistência social e educação sexual.

Na França, por exemplo, onde a conquista da legalização do aborto comemorou 40 anos no início de 2015, o resultado é surpreendente: são cerca de 220 mil interrupções da gravidez por ano, mas as estatísticas levam ao incrível número de menos de uma morte em consequência da prática do aborto por ano. (/esquerdadiario)

Agora, veja só. No brasil, segundo o IBGE, mais de 8,7 milhões de brasileiras com idade entre 18 e 49 anos já fizeram ao menos um aborto na vida. Destes, 1,1 milhão de abortos foram provocados. Porém, o artigo 124 do Código Penal prevê prisão de um a três anos para quem aborta de propósito. Então, quantas mulheres não *mentiram* dizendo que nunca fizeram aborto? Portanto, *esse número sobe*. (/brasilpost)



Por ano, aproximadamente UM MILHÃO DE MULHERES MORREM NO BRASIL por conta do aborto clandestino. Isso porque muitas clínicas não dão as condições ideais para uma cirurgia (que é MINIMAMENTE invasiva para a mulher). Sendo você contra ou não, ainda assim uma mulher está abortando nesse momento, com uma probabilidade IMENSA de morrer no procedimento ou após. Você acha que não conhece, mas amanhã pode ser sua irmã, sua filha, sua mãe, sua tia, sua prima, sua namorada... E vocês ainda se dizem pró-vida. Não, amigos, vocês não são.

Nos EUA, onde o aborto é legalizado, há 730 mil por ano. Isso em uma população de 320 milhões. No Brasil, onde o aborto é ilegal, foram 850 mil em uma população de 200 milhões. Isto é, nos EUA há um aborto para cada 438 habitantes. No Brasil, um para cada 235. A taxa de aborto no Brasil é quase o dobro da taxa dos EUA, apesar de a prática ser proibida no território brasileiro e legalizada no americano. (/estadão)

Sobre a legislação!
Alguns exemplos:
No Uruguai, o aborto é permitido, em qualquer circunstância até a 12ª semana de gestação. Em casos de estupro, são permitidos até a 14ª semana. Quando há risco para a mãe ou má formação do feto, podem ser feitos em qualquer período da gestação.
Portugal: A interrupção voluntária de gravidez é permitida até a décima semana de gestação a pedido da grávida podendo ser realizada no sistema nacional de saúde ou nos estabelecimentos de saúde privados autorizados. A Lei nº 16/2007 de 17 de Abril indica que é obrigatório um período mínimo de reflexão de três dias e tem de ser garantido à mulher "a disponibilidade de acompanhamento psicológico durante o período de reflexão" e "a disponibilidade de acompanhamento por técnico de serviço social, durante o período de reflexão" quer para estabelecimentos públicos quer para clínicas particulares. A mulher tem de ser informada "das condições de efectuação, no caso concreto, da eventual interrupção voluntária da gravidez e suas consequências para a saúde da mulher" e das "condições de apoio que o Estado pode dar à prossecução da gravidez e à maternidade;". Também é obrigatório que seja providenciado "o encaminhamento para uma consulta de planeamento familiar."
Permitida até às dezesseis semanas em caso de violação ou crime sexual (não sendo necessário que haja queixa policial).
Permitida até às vinte e quatro semanas em caso de malformação do feto.
Permitida em qualquer momento em caso de risco para a grávida ("perigo de morte ou de grave e irreversível lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida") ou no caso de fetos inviáveis.

Rebatendo argumentos:
1)
Durante o período onde a maioria é permitido aborto 12/14 semanas, o feto ainda não tem os órgãos desenvolvidos ainda, e o sistema nervoso ainda NÃO FOI FORMADO. Concordo que é uma vida, concordo que há um coração batendo. Mas discordo completamente de falar que um feto nessa idade, é a mesma coisa de um aos 8 meses de vida. Ele não tem FORMAÇÃO.
2) Aqui nós vemos o famoso "pró-nascimento" e não "pró-vida". Precisa de mais prova? Vocês não querem permitir o aborto, mas querem que a mulher que pense nisso, morra. E depois querem autorizar pena de morte a torto e a direito. Hipocrisia, pessoal.
3) Vocês sabiam que os métodos contraceptivos não dependem APENAS da mulher? E que, aliás, eles falham. E sim, o anti + camisinha FALHA. Não me venha falar de probabilidades, vamos trabalhar com realidade. E existe vasectomia, mas veja, ela também falha! Nada é 100%! Aliás, não, nem o coito interrompido. O homem ejacula um pouco durante todo o ato sexual, não só no final. Pois é. E, bom, não fazer sexo? Tudo bem, comecem a atirar pedras quem nunca fez sexo só por prazer/amor. Aposto que todos vocês que mandam mulher fechar a perna, só fizeram sexo pra reprodução. Principalmente os homens, né?
4) Sério, VÁ VISITAR UM ORFANATO AMANHÃ! Converse com pessoas que viveram em orfanatos. Converse com assistentes sociais. Sério. No Brasil, hoje, temos 5 crianças para cada casal querendo adotar. Só que casal que quer adotar, quer qualquer um? Não. Querem crianças mais velhas? Não. E quanto tempo não demora até o casal conseguir adotar? Sinceramente.
5) Falou a pessoa que quer que a mãe morra. Sério, o que vocês acham? Não dá nem pra responder uma coisa dessas.
6) Não. 50% é da mãe, de fato. E, até onde eu sei, não é você que vai carregar o filho dela, né? Aliás, de onde vem os nutrientes e todo o ambiente necessário para o desenvolvimento, mesmo? Um feto não é um pintinho no ovo.
7) Volto para o item 3. Só a mulher é a assassina, né? Queridíssimos.
8) O argumento não muda. É muito mais fácil falar que a mulher dá pra qualquer um, né? Porque mulher que dá na balada, é nojenta; homem que come mulher na balada, é esperto. Apenas parem.
9) Vamos mesmo comparar? Então ok: COMPARE A QUALIDADE E NÍVEL DE VIDA DA SUA VÓ, COM A QUE VOCÊ QUER TER. Você, querido que fala isso, viveria a vida que sua vó viveu e AGUENTARIA? OK.
10) De novo o item 1.
11) Vocês já pesquisaram como FUNCIONA em países em que é legalizado aborto? Por isso eu trouxe pra vocês. Nenhuma mulher aborta e sai sorrindo e partiu festa. Isso MEXE com as pessoas. Ninguém vai engravidar, abortar, engravidar, abortar; o governo teria um sistema até pra não permitir isso! Laqueadura em casos extremos, amigos. Só que vocês não se abrem NEM pra debater pra chegar a um acordo, percebem?
12) Mesmos argumentos.
13) Somos todas putas gordas, obrigada!


Pessoal, ninguém quer autorizar aborto de qualquer jeito. Para isso é necessária a discussão: para que se entre em um consenso que evite maiores problemas. Junto com a legalização do aborto, não vem apenas a autorização para essa prática, como também todo um acompanhamento médico, psicológico e social. Os números nos países legalizados mostram: o número de abortos DIMINUI. O número de MORTES diminui. O número de mães que morrem, quase chega a zero. E o número de fetos mortos, também! Ou seja, se você é tão a favor da vida, como pode mesmo depois de tudo isso ainda achar que tá bom do jeito que tá?
Isso acontece porque como muitos gráficos que eu coloquei no texto mostram, muitas mulheres que abortam não possuem instrução. Sim, mesmo com a tecnologia de hoje, ainda há muita falta de instrução, aconselhamento e até mesmo ajuda. Uma mulher que se vê sozinha, sem dinheiro, sem condições, se vê desesperada. Mas se, em caso de legalizado, ela for atrás do aborto e encontrar na equipe médica apoio, ela não aborta. E ainda ganha o acompanhamento pré-natal e aprende a necessidade de exames médicos.
Mesmo assim, vi muita gente dizendo que o método "não funcionaria no Brasil", simplesmente por desacreditar de nossas políticas públicas. Mas não seria esse então o caso de lutarmos por isso? É necessário ao menos DARMOS A CHANCE à essas mulheres. Não podemos negar à elas esse direito, simplesmente por desacreditarmos em nosso país. "Não acredito nas políticas públicas, então deixa o aborto criminalizado mesmo, deixa tudo isso de gente continuar morrendo". Porque, sim, essas mulheres são gente! São gente como a gente, que tem uma história IMENSA de vida por trás. São adolescentes, jovens, adultas.
Se nos negarmos até debater o assunto, como podemos chegar a uma solução que diminua os números sangrentos que existem no Brasil hoje? A ignorância não é o caminho.

Aliás, se você for contra e quiser me expor BONS ARGUMENTOS aqui, sinta-se à vontade! Vamos debater, e não digladiar :)

Beijos de luz no coração de vocês <3

sexta-feira, 27 de maio de 2016

I'm done

Tô de saco cheio, então manda processinho, meu bem.
Tô de saco cheio de ser reprimida por falar o que eu penso, por dizer a verdade. Tô de saco cheio de ter que engolir mentiras sem poder me revoltar, tendo que aceitar como verdade absoluta mesmo quando eu sei que não.
Tô de saco cheio dessa sociedade imunda e hipócrita, que finge empatia, porque é mais fácil fingir do que de fato se pôr no lugar do próximo; que compartilha vídeos repugnantes não por se horrorizar pois sente compaixão e empatia, mas sim porque se sente horrorizado de ter que ver vídeos do gênero e então compartilha reclamando que tais coisas cheguem até você, mas não se coloca no lugar da vítima.
Tô de saco cheio dessa falsidade patológica, onde é mais fácil criar uma personalidade do que ser real e dizer a verdade.
Tô de saco cheio das pessoas ficarem incoformadas com coisas não porque elas afetam o planeta e podem afetar a vida como ela é, mas sim porque afetam sua rotina e atrapalham seus afazeres.
Tô de saco cheio de ter que assistir a tudo calada, porque quando você levanta um dedo para mudar o que está errado, te acusam de coisas absurdas e tentam te derrubar da pior maneira possível.
Não existe um sistema, como uma máquina que muitos pensam. O sistema é nossa sociedade hierárquica e patriarcal, que suprime quem ousar sequer pensar que há algo errado, e dizima quem tenta mudar. E eu tô de saco cheio desse sistema que a grande maioria prefere fingir não existir, prefere achar que é algo que existe apenas na cabeça de quem não se encaixa.
Tô de saco cheio de ver o que é diferente ser rechaçado.
Tô de saco cheio...
É possível?
Essa semana, prometeram me dar um saco novo e vazio.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O Adeus



E hoje parte mais um anjo de quatro patas para se tornar uma estrela. Em um período de 1 ano, perdi incontáveis animais meus e próximos a mim (de amigos próximos, que eu tinha grande contato etc). Desses, dois eram meus de fato, sendo uma do meu pai. A nossa gorda, mãe do outro falecido, a nossa topmodel com pensamentos obesos que não podia sentir cheiro de pizza.
Respirando fundo, eu sei que preciso escrever.
De maneira totalmente pessoal, quero deixar aqui a minha impressão como proprietária no Hospital Veterinário da FMVZ de Botucatu, uma das melhores faculdades de Veterinária do país.
Como estudante, temos certa impressão do hospital. Como proprietários, conhecemos tudo de outro ângulo. E nada como ser proprietário-estudante, quando você sabe como a coisa realmente funciona.
Não citarei nomes, tentarei evitar citar cargos (porque 1+1=2), mas é claro que quem sabe o que fez, sabe. Há muitas pessoas por lá (residentes, estagiários, pós...) que eu tenho um carinho enorme, que todas as vezes que estive como proprietária, me trataram de uma maneira que... Não há palavras. Enquanto isso, há outros que só de encontrar com eles no corredor, eu tenho vontade (e eles sabem, considerando a cara que me fazem ou evitam) de mandar pra outra dimensão.
Minhas principais impressões como proprietária são com três animais: Luna (Rottweiler, 9 anos, que não era minha, mas que no pouco tempo que ficou aqui, se tornou como), Napoleão (Basset Hound, filho da minha cachorra, foi criado por parentes até que viesse morar comigo, aos 6 anos) e Nikita (a minha gorda, Basset Hound, recém-9 anos, uma irmã).
Antes de tudo, devo dizer que cada história tem sua complexidade e que desde que a Luna se foi (há 1 ano), já me falavam pra escrever. Mas com a faculdade, a gente acaba largando esse tipo de coisa de lado - mesmo que isso sirva para MELHORAR a faculdade.
Nenhuma das três histórias são fáceis. São delicadas, relembrar machuca, mas é necessário ser compartilhado. O adeus nunca é fácil, mas piora quando você sabe que, no caminho, algo de errado foi feito ou, pior, algo deixou de ser feito.
E essa é a merda de ser do ramo e estar do outro lado, o saber. Mas ser impotente o suficiente por ainda ser aluno (e vários outros motivos) e só poder observar, gritando em silêncio, visto que quando você tenta fazer algo, é como bater a cabeça na parede.