quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Angels 02

Uma luz forte surgiu ao seu redor, descendo diretamente dos céus, abrindo espaço entre as lindas nuvens brancas, que pareciam de algodão. A luz foi se fortificando de tal maneira, que fui obrigada a colocar a mão nos olhos, para não ficar com algum futuro problema de visão.
 Depois de alguns segundos, percebi que a luz havia diminuído de intensidade e retirei a mão dos olhos. Abri-os delicadamente, pousando-os sobre aquela figura magnífica.
 Sempre achei que ele possuía uma feição angelical. Seus olhos num tom escuro, bem próximo ao preto me lembravam duma linda noite estrelada. Seu cabelo era castanho escuro, mas quando o sol batia, dava um toque chocolate ao mesmo. Sua pele sempre macia me atraía intensa e constantemente.
 A diferença era que agora, além de estar usando apenas uma bermuda xadrez, ele possuía asas maravilhosas. Elas saiam de suas costas, e se estendiam na lateral de seu corpo. Suas asas brancas pareciam de veludo. Fiquei observando-o fixamente, e quando ele percebeu, mexeu um pouco as asas, envergonhado talvez.
Vergonha...
Como um anjo magnífico como ele, com a habilidade de voar pelos céus, ser livre, sentir o ar batendo em seu rosto na liberdade de voar, poderia sentir vergonha de... Um ser à base de carbono, totalmente dependente da terra para se locomover?

Nenhum comentário:

Postar um comentário