sexta-feira, 27 de maio de 2016

I'm done

Tô de saco cheio, então manda processinho, meu bem.
Tô de saco cheio de ser reprimida por falar o que eu penso, por dizer a verdade. Tô de saco cheio de ter que engolir mentiras sem poder me revoltar, tendo que aceitar como verdade absoluta mesmo quando eu sei que não.
Tô de saco cheio dessa sociedade imunda e hipócrita, que finge empatia, porque é mais fácil fingir do que de fato se pôr no lugar do próximo; que compartilha vídeos repugnantes não por se horrorizar pois sente compaixão e empatia, mas sim porque se sente horrorizado de ter que ver vídeos do gênero e então compartilha reclamando que tais coisas cheguem até você, mas não se coloca no lugar da vítima.
Tô de saco cheio dessa falsidade patológica, onde é mais fácil criar uma personalidade do que ser real e dizer a verdade.
Tô de saco cheio das pessoas ficarem incoformadas com coisas não porque elas afetam o planeta e podem afetar a vida como ela é, mas sim porque afetam sua rotina e atrapalham seus afazeres.
Tô de saco cheio de ter que assistir a tudo calada, porque quando você levanta um dedo para mudar o que está errado, te acusam de coisas absurdas e tentam te derrubar da pior maneira possível.
Não existe um sistema, como uma máquina que muitos pensam. O sistema é nossa sociedade hierárquica e patriarcal, que suprime quem ousar sequer pensar que há algo errado, e dizima quem tenta mudar. E eu tô de saco cheio desse sistema que a grande maioria prefere fingir não existir, prefere achar que é algo que existe apenas na cabeça de quem não se encaixa.
Tô de saco cheio de ver o que é diferente ser rechaçado.
Tô de saco cheio...
É possível?
Essa semana, prometeram me dar um saco novo e vazio.